quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Harry Potter e Dan Brown




Há intelectuais que afirmam que é uma estupidez achar que Harry Potter forma futuros leitores. Para eles, leitores de Harry Potter serão no máximo, futuros leitores de Dan Brown, não de “ficção séria”. O argumento prossegue afirmando: quem assiste à telenovela não necessariamente assistirá a filmes de Godard e Bergman. Apesar de ser verdade que muitos jovens que se apaixonaram pela saga do bruxinho nunca mais lerão nada na vida, também é certo de que leitura não é uma atividade fácil!

Sou incentivador ferrenho da leitura, sou viciado em leitura, sou poeta. Mas, não suporto o apelo poético de que a leitura é um prazer! Obviamente que absolvo desse pensamento os adeptos do sadomasoquismo! Em um universo com dezenas de estímulos audiovisuais por todos os lados, retirar-se para um canto para ler será considerado cada vez mais um hábito excêntrico. A leitura, além de não permitir a passividade da televisão, exige o cultivo da solidão e do silêncio. Ler não é uma atividade natural. Dói os braço! Os óio! O lombo! Até o bumbum dói!

Essa é a verdade sobre a atividade de leitura, porque não dizer a verdade a esses jovens? Seria intencional tal omissão? Sim, dizer a verdade sobre a atividade de leitura diz respeito ao seu poder conscientização como cidadão, seu poder de esclarecimento!

Harry Potter e Dan Brown é o que estão lendo. Certo, vamos falar sobre eles: Que segundo mundo é esse J.R. criou? Como criou? O que ela quer dizer com isso, com aquilo? Existe magia? O que é magia? Alguém da turma sabe fazer uma mágica? Vamos aprender fazer mágica? Tudo bem, essa frase: Blá,blá e blá, está em que livro? O coral afinado da turma dirá - Código da Vinci!!! Não meus queridos essa frase está em Santo Graal e a Linhagem Sagrada, mas muito antes esteve na boca de Percival... é isso meus queridos, a mágica é manipular nossos desejos e até criá-los. Como ratinhos num laboratório, respondemos ao bombardeio de estímulos para roda jamais deixar de girar. Talvez não fosse a intenção de Dan Brown, mais ele nos ensina que o passado sempre volta! Na aula de hoje falamos muito da fantasia de Código da Vinci e da Magia de Harry Potter, mas a grade verdade é que falamos sobre nós mesmos!

Então? Venceremos o desafio de dizer a verdade sobre a atividade de leitura? Mesmo sabendo que isso irremediavelmente abarcará uma intensa oralidade em sala! Sei que hoje a opção, é silenciá-la.